Bio

10Roberta Tostes Daniel, nascida na última semana de 81, no Rio de Janeiro, também viveu parte da infância e adolescência em Cabo Frio, onde teve muito tempo para se fazer pelo mar, ou como no dizer da cineasta Agnès Varda: Se você abrir uma pessoa, irá achar paisagens. Se me abrir, encontrará praias. Sua família é toda mineira e viveu em Belo Horizonte durante um de seus oito anos de criança. Passou férias imensuráveis na casa dos avós paternos. Seu pai foi poeta e radialista, tendo falecido ainda em 87, aos trinta e dois anos. Desconfia que escreve em razão desses fatos. Seu irmão também é poeta e escritor (foi quem lhe apresentou a Drummond e Bandeira, ensinou-lhe a palavra outrora e a música como primeira extensão de tudo). Vive na confluência de montanha e mar, na capital do RJ. Passou pelos cursos de Jornalismo da UFRJ e UERJ, no início dos 2000, mas veio a se formar em Letras/Literatura, anos depois, pela Estácio de Sá. É servidora pública municipal. Como poeta, atividade estranha e originariamente subversiva, encontra sua vocação. Tem participações em revistas literárias e antologias, impressas e digitais.

epígrafe mais antiga: Sou alguém que espera ser aberto por uma palavra (António Ramos Rosa)

de uma de suas poetas preferidas: me digo mis silencios (Alejandra Pizarnik)

Email: robertatostes@gmail.com

*

Na Revista Estrago:

Respostas

Percebo uma voz própria nos teus textos ou ao menos uma busca bastante determinada por uma voz própria. Como foi e é a sua busca pela singularidade?

Acredito que a singularidade comece como um tipo de sintoma e seja própria dos deslocamentos da vida. No meu caso, a escrita se deu por transferência, talvez genética, sobretudo sentimental e narrativa. Meu pai foi poeta e faleceu muito jovem. Seus poemas, que se acumulavam em guardanapos e papéis os mais diversos, foram quase todos rasgados e perdidos após a separação conjugal. Mas cresci com a poesia sendo pronunciada e apresentada em casa desde cedo; as histórias que permeavam meu pai, contadas e recontadas a partir desta ligação com o que só pode ser reconstruído de maneira singular – o perfil do ausente. Até o fim da adolescência, escrevendo de maneira esparsa, sem nenhuma busca determinada. Aos dezenove anos, passei dos cadernos para os blogs, e o que era tão só confessional começou a assumir a forma de uma prosa poética intensa, desordenada. Até hoje escrevo em blogs. Nos últimos cinco anos, depois de um longo percurso pela escrita, no meio digital, meus poemas alcançaram, espero, essa voz própria a qual você se refere, e me deixa muito feliz. Por mais que os deslocamentos que citei tenham propiciado mudanças e novas perspectivas e, quem sabe, uma singularidade, as motivações são basicamente as mesmas: escrever para responder às variadas formas da invisibilidade, para existir.

Sua escrita mudou com o tempo? Há um lugar aonde chegar? Você acredita em projeto literário (autores com projetos literários)?

O percurso anteriormente descrito já adianta uma das respostas. Percebo que mudou muito, até porque por uns oito anos o que escrevia era estruturado em prosa. Não faço a menor ideia de onde quero chegar. Ainda não publiquei um livro, sinal muito claro dessa indefinição. A escrita é algo central na minha vida, sem a qual seria uma sucessão de acontecimentos desconexos e sem muita vitalidade, tendo em vista o caráter transitório de tudo e a minha insustentável relação com a memória e o tempo. Já há um consenso entre os mais próximos de que, caso me perguntem a hora, a qualquer momento do dia ou da noite, e mesmo se eu não tiver quaisquer referências, saberei. A sensação do tempo transcorrido é lentamente destilada em meu corpo. Sinto soar cada segundo. Nessa perspectiva exagerada e pungente, meu projeto é o da sobrevivência. Mas não no conforto da sobrevida, e sim me contrapondo e afirmando, ritualizada, caótica e ressignificada. No entanto, acredito em autores com projetos literários, mas não no congelamento dos processos.

O eixo Rio/São Paulo contém muitos caciques literários, muitas escolas, muitos clubes. Como a solidão facilmente detectável na sua poética se encaixa nesse horizonte amplo, nessa dinâmica?

A solidão da escrita foi atravessada pela das leituras, o que mudou minha própria dinâmica com o fazer literário. Eu não tinha aspirações literárias, por assim dizer, no sentido da veiculação dos meus textos em revistas, em ter necessariamente uma obra publicada. Até cogitava fazê-lo, mas sempre futuramente; a experimentação pedindo passagem, antes de tudo. Com isso, nunca consegui me organizar para publicar, ou mesmo senti necessidade. Pelo contato, predominantemente virtual, com outros autores e alguns editores, a maioria do eixo Rio / São Paulo, o que escrevia passou a ser mais lido e naturalmente houve a incorporação de novos elementos e objetivos. Para além dos clubes e das escolas, da necessária construção descentralizada e democrática da cultura, que transpasse o país pluralmente, prezo a liberdade, dos processos, do indivíduo no fazer artístico, e à ideia da liberdade minha alma se ajoelha, como li recentemente num texto do Robert Walser. Ele continua: “Talvez muitos não saibam lidar com a liberdade por não quererem se acostumar a levar em conta sua fragilidade”. Ou seja, por mais que movimentos e grupos se afirmem, que autores sejam referenciados, editados e conhecidos, que revistas façam seu trabalho e divulguem, a solidão é inevitável e necessária para a realização da escrita, uma solidão essencial, que caiba na capacidade de se situar frente às potências do mundo. É preciso dizer ainda que é por meio das potências e das realizações coletivas, de pessoas curiosas, generosas e instigadas, que os textos, meus e de muitos, circulam na rede – o que era antes confessional, assume um lugar de fala, da fala inventiva, que não se amolda às demandas meramente utilitárias, e se faz com interlocutores, mesmo que os signos de uma determinada poética, e até de uma vida, sejam a solidão.

Qual a temática mais árdua? Qual o medo que só Roberta pode entregar aos leitores de Roberta Tostes Daniel?

A temática mais árdua é aquela recorrente, em que as palavras são facilmente acessadas, e é o caminho conhecido por meio do qual a escrita se abre para investigar tantas coisas, o silêncio, a morte, o amor, a temporalidade, a metalinguagem, os fatos da vida, as historicidades múltiplas, os seres, a eternidade na epifania de certos momentos. Uma longa resposta na tentativa de tatear realmente aquela que seria a temática mais difícil. Eu acho que é exatamente a solidão, a solidão manancial, extraída das imagens da infância, onde o mar era a resposta silenciosa das indagações ainda não formuladas.  Uma incompreensão fecundada depois pela palavra. E por que é a mais árdua? Porque não pede revisionismos, mas coragem, mesmo que seja a de se repetir e abrir brechas a partir de onde tudo tenha começado. Essa coragem é feita da fragilidade da liberdade, e dos diversos medos comuns e idiossincrasias de nascença e de percurso. Nessa perspectiva, da coragem humanizada, todo medo pode ser também relativizado. O medo, então elemento do que organiza cada investida contra as dissoluções – o medo peculiar é o da ternura lúcida que comanda uma dicção, que se descreve para ver o outro.

Anúncios

3 comentários em “Bio

  1. Roberta, adoraria lhe conhecer melhor!!!
    Procura pelo meu nome no face…
    …Na verdade…me apaixonei pela sua poesia…e a sua sensibilidade…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s