Outros poemas de inverno

O inverno da nossa desesperança

Dada a falta de experiências
significativas
este inverno ficará apagado.
Dada a falta de luz
sobre a pele tremente
sobre ela ruiremos
memórias revolvidas
poemas solapados.
Problemas genéticos
sopro, diabetes
soluções maternais
sem embasamento médico.
Como exemplo
de nosso processo
de colonização
transformaremos
a ciência e a ideia
da racionalidade científica
em solução oracular
convertendo o
pensamento objetivo
na grande narrativa
épica do mundo.
Em nome
dessa hegemonia
julgaremos
povos, práticas
territórios.
Teremos a dizer
o mesmo do mesmo
do medo.
Mesmo que na falta
de experiências significativas
mais valha o tremer.

* * *

Viagem

O inverno uma caixinha
escura em direção
a Nova Dutra fecha
os olhos com sono
de Dramin mais adiante
chega ao terminal do Tietê.
Próximos dias: difícil umidade.
O riso os cafés intermináveis
com ele que leu primeiro
meus livros prepara
um posfácio. Que fazer
agora com essa palavra
aguda que arrimo
vencendo brevemente
a distância: irmão?

* * *

Enquanto canta Joanna Newsom

Há qualquer coisa entre a voz e o inverno
que apressa a queda das folhas.

Não resiste a ser entoada
pela boca que simula outono.

Começa antes das estações,
colando-se ao chão, fazendo-se rasgo.

Da certeza, apenas uma brecha
entre o frio e a ramagem espessa.

* * *

Inverno 2013

Caíram as folhas,
homens acorrem
a semear o presente.
Mantilhas desfraldam a terra
e os passos aprendem,
com as mãos ensanguentadas,
com a cabeça perfurada de dúvidas,
o que ninguém sabe, nem mesmo o frio.

* * *

sem título

A tarde morta, o frio.
Ciclos, caminhantes.
Tremeluzem
no centro da falta.
Fala – o corpo
obscuro do grito:
o silêncio – gradua
a sombra das horas.
Sobretudo, aquiesce.
Como quem consente
a beleza, o fogo, a morte.
Então arrepia.
E então, cala.

Publicado por

Roberta Tostes Daniel

Roberta Tostes Daniel, carioca. Tem poemas publicados nas revistas eletrônicas Mallarmargens, Zunái, Musa Rara, Diversos Afins, Estrago, Incomunidade, além de blogs e no site do Centro Cultural São Paulo. Incluída nas antologias: “Desvio para o Vermelho” (CCSP), “Amar, verbo atemporal” (Ed. Rocco) e “história íntima da leitura” (Ed. Vagamundo). Email: robertatostes@gmail.com “Sou alguém que espera ser aberto por uma palavra” (António Ramos Rosa)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s