poesia

V

Me valendo do andaime que eu nunca usei. Estranhando as notas altas e o meio de acesso ao conhecimento. Se me emociono, sei. Até que venha a me demolir em sua nova acepção da palavra caminho. Se me imiscuo no fato, ou no topo deste prédio com vista ao outro dia; se mais um andar da história desaba no hoje, nós que supostamente achamos não ser répteis, somos o rapto de nós mesmos na imensidão. Me nego a usar a definição de um minuto atrás – recorro à escala biológica, à herança mítica, ou à práxis de nossos antepassados no holocausto de vencidos e vencedores? Minha memória é uma migalha no universo, mas eu me recuso a cimentá-la.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s