Portas abertas ao precipício.

Ciente de que não sobraria qualquer coisa de meus armistícios.

Lutei até o último ponto da fronteira.

Nada me ameaçou mais que morrer pelas beiradas.

O consumo certo dos desvãos desafiou a vida marinha

e agora resta esse nó esse deserto essa hora pouca

esfomeada hora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s