poesia

Walserianas

Ainda ontem, a coruja
pousada na existência
iludiu-me com a ideia
de conhecer Robert Walser.
Informou-me ter acompanhado
há muito, o sereno caminhante
e até Jakob existira
na profusão dos rostos que emanava.
Perguntei se aquela ideia insana
de andar até a morte
ser nulo, vago
paisagem na névoa
trouxe a ele a tamanha precisão
com as palavras.
Qual era a espécie de grito
que ele soubera conter?
Nada respondeu
a enfeitiçada e profunda
coruja, fez-me lembrar
o pássaro desolador
de Poe, tal a expressão
das pestanas, quase
um momento musical.
Na luz acesa da interrogação
a predação se fez doce
anularam-se os egos
restando o silêncio
pantanoso e comovente
do mistério.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s