poesia

Sand River

Escrever um poema para Beth Gibbons
e pedir que repita a palavra fairytale
enquanto durar a estação
que não vem.

E sentir a areia o rio
correndo à voz solta
e lembrar da primeira vez
que essa voz me pareceu
outro mundo.

Realizar as conexões
que o tempo quebrou
perceber que o disco nunca arranha
que as unhas é que são feitas pra isto.

Que a compreensão não cabe na ternura
como o passado não cabe no peito
desanda o desaprender de ouvir.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s