poesia

Ubiquidade

Identifico na linguagem dos predadores
o sentido (in)exato da impermanência
embora, em sua mescla de tipos
constituam a navalha sobre a civilização
e seus prismas refletidos sabem que
não há diferença na morte
há o fim, inalienável
modos tantos de ficar
sobre eles, os próprios predadores
terão de investir
seus afetos, versões, narrativas.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s