poesia

e esse algo grandioso
pode ser apenas
a nulidade de tudo
um grande algo
servindo de algemas
– estratagemas

não que sejamos niilistas
ou otimistas
somos o elo
entre a coisa e o mercado
artefato humano
livre, despovoado
de embaraços

feito de nudez violável
e desessências manchadas
seguras em arrancar
um traço das espáduas

eu digo a lógica em abandono
o grande eu
não se inaugurou aqui
não morreu neste lugar
nem pensa trocar de eu

coletivo desarraigado
coletivo atomizado
cadeias químicas
e a miséria das cadeias

versus: o fluxo em que misturaremos
nossos fluidos
a calma manancial dos hábitos
as mudanças definitivamente postas em nos conduzir

sobrou tapume
e sobrou o inefável
o sol é aquilo que resta

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s