poesia

Eternidade

Você que parecia o início
dos elementos postuláveis
em torno do qual permitiríamos
um tácito derrame das venezianas.
Seu perfil nas prateleiras –
o rosto de Ulisses, noites de Céline
(oniausência, história do pranto
O Aleph, o Chaplin).
A você, onde não há você
subjaz um novo sob o sol
da outra vida, nela adivinharei
ainda mais as distâncias.

Padrão

Um comentário sobre “Eternidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s