Todo rio é o rio de Heráclito
Todo rio, atávico
Todo rio expande só até as bordas

Que assoreio
Que navego
Que naufrago

Todo rio transborda
Crescer é desajuste

Anúncios

31/08 (estertores)

Sinto-me
possível
(manejar
armas).

Enquanto
teu sexo
esplende
urina e desejo.

Buendía, certeira
filha da boa nova
cigana.

Tu, lâmina
ruína, tudo
gozo.

Foi preciso muita palavra
até arrancar deste silêncio
um lugar seguro.

Que não dá o seu paradeiro
leva minhas pernas
antiogiva de mim.

Recuso fragmentos
tenho força de abandonar
o caminho escuro.

O que seja a minha lei
desfaço
abro-me ao sol inteiro:

quero um corpo para dizer.

O homem executa um pequeno número de ações.
Ama, inspira, desaparece.

Trai, multiplica, esquece.
Joga todos os livros fora.

Menos o livro com a palavra derradeira,
da língua que nunca disse.

Doravante, nunca jogou nada fora,
nunca teve nada.

Como na origem de certas árvores
intocadas na profusão das matas.