pão cego da poesia –
mastigo o ermo das palavras
quando não quero dizê-las
estendo os braços, frágeis de sentido 
por algo como a luz. ou a fome.

Anúncios