Um poema de Carnaval

Festa da carne, do cerne
do rompante.

Somada, quatro meses de folia
minha vida diz

contente
sambando, de máscara.

Corsos e entrudos
calor de húmus, de homem

cidade arlequinada.
Rio, eu te vejo:

nau e nunca.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s