poesia

Formas do mar

I

Lamber de lágrimas
para lembrar quem é –

um rosto que recomeça
a nadar

gostando a boca.

II

Deixa entornar, a água
não padece de membrana –
como explicar que somos dentro?
Com a mesma fluidez
e com mais visgo.

III

Tornar-se vento, depois de ser
do que te leva embora.
Recuperar a potência de lugar
e de partida. Depois, espuma.

Padrão

Um comentário sobre “Formas do mar

  1. como ser espuma
    se antes
    areia

    e água

    como ser mar
    se o gosto
    é sol

    se o rosto
    apenas reflexo

    eternanente efêmero

    (perdoe, mas seu poema induziu-me a este repente; dessas coisas que tocam suavemente a retina)

    beijo

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s