poesia

Escrever.
Escrever para.
Começar a escrever.
Chegar à verdadeira escrita.
Chegar é o exílio.
A linguagem quer ser
sob o panteão de imagens:
reduto altero; oferenda.
O abraço intertextual;
a metafísica do texto;
silêncio físsil –
a jugular do traço
ribeirinho ao vício.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s