poesia

Vocação

Ser água depois que a palavra queima.
Ser o nome de coisas simples.
Nossas mãos desenrolando rios,
oferecendo braços
por onde a Terra corre, absoluta.
Bebemos. Ao largo do manancial, vazio.
Bebemos com estreiteza,
a ideia de um corpo, transmudado alfabeto,
a ideia de um sopro de hálitos nossos.
Nos perdemos em fulgurações estranhas,
dentro de casas altas, como nós,
andamos frágeis sob a amplidão.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s