poesia

Escrever sangue

Percepção vital e precária de que as imagens nascem do sangramento da palavra. Escrever em recorrência, palavras como sangue, inevitáveis, necessárias, como o sangue o é.

Há quem diga vermelho do vermelho? Que de novo circula o oxigênio para as células? Que é festim o alimento que entranha a consciência? Enfadonho e que já tarda?

Pois bem, o sangue traz o sangue. Da natureza do fluxo, chamá-lo, dispersando a cor pelo seu nome. Revestindo, para avivar a forma. Imanente ao pensamento: formular por coágulos.

(Ver, antes disso, é como um bem sepulto. Anil de uma liberdade que não se engendra. Cegueira, que chamaremos saudade.)

Padrão
poesia

nota insone

Não sei escrever, sei respirar. Não me isento. Sobrevivo. Com palavras, cipós, pássaros. Não tenho superfície? Tenho. E limite. Que esgarça a pele como se fizesse dela um riso. Tudo ri, no incêndio horizontal. As palavras se emprestam, são generosas as palavras. Infinita e traiçoeira é a noite. Assim, como se alguém tivesse acabado de dizer. Isto que todo mundo diz: o silêncio. O silêncio desaba. Na repetição do texto. O nome oriundo. Sem onde. Aquilo de que é o vento. Os loucos de Rilke, poeta que não vai. Deixar que outros nomes venham. Marina te beijou. Naquele poema que não bem me recordo. Queria ouvir o seu coração. A sucessão dos desejos. Era isso que dizia o poema. Um poema que não era um poema. Era a vida. E te beijou, Rilke, talvez achando, como os teus loucos, que nada está perdido. Grande poeta, Tsvetáieva. Prendo-a no meu não-texto. O que faço? Fluxo de nada. Consciente, pelas beiradas. Arrastando a aurora. Canso. Raízes me agarram, feito cipó. Respiro. Não escrevo. Quero. Hei de querer mais pássaros para a noite que não finda.

Padrão