poesia

Flâmula

O querer também é desdobrável, Adélia,
portanto, mulher.

Somos, no limiar das vértebras,
o vigor dos mastros.

Hasteados, a tocar
qualquer parte vital.

Para quebrar um caminho.

Nessa gaiola de entranhas,
nascenças que se querem bem.

Calcificamos,
para lhes abrigar o músculo.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s