Lendo aquela moça

A moça é um tufão, que chega aconchegado;
tem a legitimidade dos abusos, a durabilidade dos espantos.
Natural como ninguém dentro de um torpedo,
amacia uma rocha para salientar suas camadas umbráticas
depois da queda: invaginações perfilhadas de peixes;
nomes augúrios do nada – um bebê, um submarino, uma roseta.
Enumera o que se abre, para brincar de esconder
o deambulado coração em pulos.
Sustenta com a boca: palavra lambe palavra.
Como um gato procedendo o banho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s