Quando nas praias…

Quando, nas praias, o alvo

é o imenso deserto.

Branco da espumareia:

insonoro oásis, sem fetiches,

sons desvanecidos.

Pálidos, os corpos submergem

na inaudível paisagem

desabitada dos sonhos.

Áridos, os sonares emitem

surdos encontros.

Anúncios

3 comentários em “Quando nas praias…

  1. Todos os versos são bonitos. Emocione-me quando os corpos (afogados) começaram a submergir desse lugar nenhum que é o sonho – ermo, desabitado “quando o alvo é o deserto”. Porém os surdos encontros. Que beleza isso…

    Curtir

  2. “o alvo é o imenso deserto… Áridos, os sonares emitem surdos encontros.”

    Isso impactou bastante em mim, como todo poema, mas aqui me pareceu o núcleo (na minha leitura, claro).

    Tanta pela beleza das imagens como pela profundidade que alcança, um poema notável.

    Beijo, Beta!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s