Os tímidos, as rosas

(para Raul Macedo)

Os tímidos
Não esmorecem
As rosas.

Singram para o olfato
Não sabem onde
Ancorar as mãos.

Navegam
O desejo do toque
E transbordam.

Perfumes carregam
No ar
O desejo da cor.

Anúncios

3 comentários sobre “Os tímidos, as rosas

  1. “Navegam/ o desejo do toque/ e transbordam”, “no ar/ o desejo da cor”… o poema todo é muito belo e conciso, mas suas palavras transbordam com uma densa delicadeza. Realmente belo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s