Aelo

I.

Voa sobre a terra firme
para inspirar
a imobilidade.

Dança a pura transgressão:
um pássaro do espanto.

Venera a paisagem afogada
de onde foge para a

liberdade.

Amanhã, talvez
a sombria
indecisão do voo
o pouco alimento

– restará a fome.

Mas, hoje, o sol
pesa como um corpo
deita seu calor
sobre o ouro.

II.

Outro, que voa: o amor,
(imaterial) peso do mundo.

Hoje, sobre mim, amor,
o peso da matéria
do mundo.

(suspensa e atônita)

A humanidade de um anjo
a angeologia de um homem.

Síntese impossível:
homemulheranjo
e o pássaro do assombro.

III.

Vigoroso pacto
de mãos que tecem
em asas

curvas
e fêmures da palavra.

O bico
do seio.

O osso
fratura o silêncio
com a música

de ave do espanto.

IV.

Canta com a rouquidão da voz
inventada nas cordas de um grito:

a harpia

leva o desejo de som
enquanto o gozo da semente

sobrevoa in
certezas

– o aelo da perplexidade
é um desejo aéreo de brotar

da terra

Valsa sobre a esperança.

“O peso do mundo é o amor”, Allen Ginsberg, em Canção.